Alsace et Bastille

Alsace & Bastille - Conseil en Stratégie. Paris, Estoril
-Consultancy in Real Estate, Celebrity aviation, railway business, Consultancy in Export Strategy; E-mail: vitorpissarro.alsacebastille@Yahoo.fr or to Twitter adress Vitor Pissarro @VitorPissarro

sexta-feira, 7 de julho de 2017

visite Marrocos em Cascais, julho 2017



CONHEÇA MARROCOS… EM CASCAIS

Durante três dias, exposições, música e um mercado marroquino de produtos artesanais vão celebrar as boas relações entre Portugal e Marrocos.
A Embaixada do Reino de Marrocos em Portugal celebra este ano o 60º aniversário do início das relações diplomáticas entre Marrocos e Portugal. Para assinalar este momento importante na história dos dois países, a Embaixada do Reino de Marrocos em Portugal organiza os ‘Dias culturais em Cascais’, entre os dias 7 e 9 de julho de 2017.

O simbolismo da data e a celebração que será feita durante 3 dias, conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República Português, Marcelo Rebelo de Sousa. Uma iniciativa que contribuirá para deixar uma mensagem sobre as boas relações bilaterais e da singular parceria estratégica entre Marrocos – Portugal.


Os Dias Culturais, organizados em colaboração com a Câmara Municipal de Cascais, bem como outros parceiros portugueses e marroquinos, vão decorrer em diversos locais em Cascais. Uma exposição de pintura terá lugar no Palácio da Cidadela de Cascais, com os quadros do artista Moulay Youssef Elkahfai, intitulada «O desenho das palavras», inspirada no Rei poeta Al Moutamid Ibn Abbad nascido em Beja. No Museu de Castro Guimarães estará em exposição uma coleção de tapetes marroquinos que representam diferentes regiões de Marrocos, intitulada «Tapetes de Marrocos: uma gramática de sons e silêncios».


Um mercado marroquino terá uma vasta gama de produtos artesanais, e conta com a participação da Agência para a Promoção e o Desenvolvimento do Norte de Marrocos, da Agência de Desenvolvimento Agrícola, do Office National Marocain du Tourisme e das Associações de Comunidade Marroquina residente em Portugal. O mercado realiza-se no Mercado aberto da Vila de Cascais durante estes 3 dias com a animação no final de tarde com duas apresentações musicais.

Uma noite musical vai ter lugar na Cidadela de Cascais, protagonizada pela diva da música árabe-andaluza, Zineb Afailal. Também irá decorrer um desfile de trajes tradicionais (caftan) que faz parte da coleção “Resort 2017) da estilista marroquina NajiaAbadi.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Why women of 40 and 50 are the new 'ageless generation'



http://www.telegraph.co.uk/women/life/women-40-50-new-ageless-generation/?WT.mc_id=tmg_share_tw
2 JULY 2017 • 6:00AM
Lean, lithe, beautiful and effortlessly cool, Polly Kemp teaches yoga at the hip hotel and members’ club Babington House in Somerset. She’s addicted to Instagram and loves fashion and travelling.

But no, she’s not the woman on the left – that’s her 19-year-old daughter Iggy, a model who lives in London. Polly (right) is a mother of three (she also has sons Gabriel, 22 and Finlay, 17, with her photographer husband Iain) and is 51.

‘Don’t get me wrong. I’m under no illusion that I am 19 or look 19; I’m very comfortable in my own skin – lines, grey hair and all,’ she says.


‘But I know I live very differently from how my mother and grandmother did at my age. Iggy and I often borrow each other’s clothes, although we might not wear them in the same way. And we both love vintage clothes, so we often trawl charity shops together. We enjoy the same TV series on Netflix, such as Schitt’s Creek, Girlboss and Grace and Frankie; and we’re following the same online daily yoga challenge on YouTube.

‘When I hear the term “middle-aged”, I have to stop and think, “Is this meant to be me?” I don’t polish silver or plan menus, and I’m not interested in housework. I am also spontaneous and I don’t think that’s a quality traditionally associated with middle age.’

Polly’s age-defying attitude is something I can relate to. Growing up, if I’d pictured myself aged 53, my hair would be a little less long and blonde and a great deal more grey than it actually is – and I’d be wearing frocks and face powder, not jeans and CC cream.

And now a new survey exclusive to the Telegraph has found that, like Polly and me, 96 per cent of 40-plus women don’t feel middle-aged at all.

The study of more than 500 women by marketing agency SuperHuman found that 80 per cent felt society’s assumptions about middle-aged women do not represent how they live their lives.

More than two thirds considered themselves in their prime of life; 59 per cent felt as vibrant and young as they ever have – partly due to a focus on health and fitness – and 84 per cent said they don’t define themselves by age.

SuperHuman was founded by Rebecca Rhodes, 44, and Sandra Peat, 42, who feel brands are failing to realise just how midlife women have changed.

Perennials are ever-blooming, relevant people who know what’s happening in the world
Armed with negative stereotypes about older women, companies still focus on millennials despite the greater financial firepower of 40-plussers. Says Rebecca, ‘By 2020 it is estimated that up to a third of the UK workforce will be 50-plus and they will control 80 per cent of the wealth.

'We know that 85 per cent of purchasing decisions are made by women and yet 91 per cent of women don’t believe advertisers understand them. This isn’t good enough.’

As a result, she adds, ‘Eighty-four per cent of the women we surveyed used products and services they felt were aimed at younger women.’ But the generation gap is closing. ‘Forty-plus women today look, feel and live differently than the generation before them – 90 per cent consider themselves to have a much younger attitude than their own mother’s generation at the same age,’ she adds.

In short, women in their 40s, 50s, 60s and beyond no longer associate themselves with a life of lawnmowers and Rotary Clubs, cheese and wine parties, elastic waists, river cruises and walking tours of Madeira. Even the term ‘middle aged’ is fast becoming obsolete.

People magazine recently named Julia Roberts, 49, as the World’s Most Beautiful Woman 2017, 26 years after she first made the list. And France’s youthful new president Emmanuel Macron, 39, has been pictured passionately kissing his glamorous blonde wife Brigitte, who just happens to be 64.

Everywhere we look, highly visible older women are rewriting all the rules. From JK Rowling to Nicole Kidman; Michelle Obama to Anna Wintour, they are at the peak of their power and creativity.

They are engaged, influential and often increasingly political.

There’s even a new term to describe people with this no-age mindset: ‘perennials’. It was coined by US internet entrepreneur Gina Pell, 49, who explains, ‘Perennials are ever-blooming, relevant people of all ages who know what’s happening in the world, stay current with technology and have friends of all ages. We get involved, stay curious, mentor others, and are passionate, compassionate, creative, confident, collaborative, global-minded risk takers.’


This attitude can be helped by the way we look. And if that sounds trivial, it’s not, according to Ellen Langer, professor of psychology at Harvard University. Her researchers have found that people who feel old compared to others tend to age faster, and a major factor in this is the way they dress. Those in the study who wore uniforms, and so dressed the same as younger colleagues, suffered fewer age-related illnesses.

The good news is that we don’t need a white coat to gain the same health benefits; nor do we need to dress ‘young’. ‘Since the 1990s, society has become increasingly informal and fashion has become more generic,’ says Rebecca.

‘In today’s Converse-and-jeans uniform, worn by everyone from 10 to 70, you often can’t tell how old a woman is from behind.’

Indeed, a glance at shots of classic perennials Julianne Moore, 56, and Emma Watson, 27, reveals that despite their three-decade age gap, they favour an identikit look of striped tees, oversized coats, leather jackets, jeans and trainers.

 Assessing her own fashion evolution, Polly says, ‘I thought that by this age I’d want to look “smart”. Instead I like to look cool and sexy, and I live in trainers to the extent that I wonder why I even have my other shoes. Like Iggy, I’m in jeans all the time, though I might pair mine with a silk blouse and a jacket.’

Happily, SuperHuman’s survey found that 67 per cent of women over 40 felt more confident than they did a decade ago, and just as many were more ambitious too. ‘Doing things that challenge me’ was important to 60 per cent of women in the survey; personal fulfilment was a priority for 61 per cent, while 63 per cent described themselves as ‘very optimistic’ about the future. Almost 80 per cent said they had a strong appetite to explore and experience new things with or without their kids.

I thought by this age I’d want to look 'smart'. Instead I like to look cool and sexy
‘The idea of retiring at 50 and having an empty nest is totally out of date for most people,’ says Richard Cope, a consumer trends analyst at Mintel. ‘Economic pressures and increasing pension ages mean women are working longer and thus spending time with younger colleagues. At the same time, due to property and rental costs, more adult children are living at home, and their attitudes are influencing their parents, causing what’s known as generational blurring.’

When her 17-year-old daughter became vegan a year ago, author Fiona Gibson, 52, ended up dramatically changing her own diet. ‘Erin opened my eyes to the ethical issues and health downsides of my more meat-heavy diet. I probably eat vegan four days out of seven now.’

Lynne Barratt-Lee, 58, also a novelist, says she’s picked up her 24-year-old daughter Georgie’s online shopping habits. ‘We get confused over who’s put what in the Asos basket,’ she says.

 But there’s one black cloud in this sunny picture. While 40-plus women feel very confident in their abilities and opinions, 48 per cent of those surveyed said they felt less confident about their appearance than they had a decade ago, citing pressure to stay looking young – and 83 per cent felt this affected their self-image.

Rebecca calls this the ‘confidence paradox’, and adds that while older celebrities and models are more visible than ever before in adverts and on screen, women in their 40s and 50s still feel ignored.

Entrepreneur Grace Fodor agrees. Two years ago, she founded cosmetics brand Studio 10, aimed at women in midlife. ‘Currently, older women are part of the zeitgeist,’ says Fodor, 50, citing Michelle Obama and Jenna Lyons as examples. ‘But remember: we’re for life, not just this season’s marketing strategy.’
The future, says Gina Pell, lies with forward-thinking companies such as Netflix and Amazon who profile customers by their tastes, not by their age. ‘Defining people by their birth year is so antiquated,’ she concludes.  


As melhores praias de Cascais



As melhores praias da linha de Cascais

Apanhe o comboio no Cais do Sodré e siga linha fora. É barato, ecológico e ainda finta traumas de trânsito e estacionamento. Pare nas estações certas para aproveitar as melhores praias da linha de Cascais

Fotografia: Manuel Manso
Carcavelos
Próxima paragem: praias da Linha. A menos de uma hora de Lisboa – e à distância de um comboio – não faltam escolhas para estender a toalha na areia e dar um mergulho. Estas são as melhores praias da linha de Cascais. 
Se estiver com tempo para passear ainda mais para fora da cidade, visite então as praias da Arrábida – são 13, e todas com ar de postal – ou passe por um dos paraísos aqui por perto. E quando a fome começar a apertar não se fique pela bola da praia, temos nove restaurantes de praiapara comer bom peixe e inspirar maresia.

As melhores praias da linha de Cascais

Praia de Carcavelos

Praia de Carcavelos

Fica a 26 minutos de comboio de Lisboa (bom, um pouco mais se contar com o caminho até à praia, mas o caminho é agradável – e mais rápido se o fizer em cima de um skate). O extenso areal dá para tudo e todos. Não, não é dos destinos mais tranquilos, é possível que passe a tarde a ouvir música alta e conversas alheias, mas os acessos são facilitados e até dá para uma partida de volley, andar de skate, um pouco de jogging, uma aula de surf, uma bola de Berlim e comprar bugigangas ou pareos. Findas as obras, o Windsurf Café está de volta, e com ele a esplanada, os hambúrgueres e os sumos naturais. Ananás, gengibre e hortelã é uma solução vencedora, por 4€.
Praia de São Pedro

Praia de São Pedro

Se já deu por si a almoçar um pão de alho tamanho XL e caipirinhas não está sozinho no mundo balnear. A esplanada de São Pedro convida a este tipo de desvario perfeitamente aceitável e desejável (mesmo que seja dia de trabalho e só tenha decidido dar um pulo à praia). Detalhe relevante: não têm multibanco. Se não vem com o tempo contado e trouxe consigo a toalha, perfeito. Faça o favor de procurar um espacinho e de estendê-la. Plano alternativo para petiscos? Passe no Boteco da Linha.
Praia da Bafureira

Praia da Bafureira

É rochosa quanto baste, os acessos implicam alguma paciência, nada friendly para miúdos, mas no fim de contas é bem capaz de agradecer a viagem (desde que a maré cheia não tenha comido todo o areal, claro). É ideal para ir a solo e se pertence ao leque de banhistas para quem praia é sinónimo de esplanada, insira aqui o estado “sinto-me agradecido”. A do Bafureira Sunset Beach Club, com o seu SushiFashion, é uma hipótese feliz, mais que não seja para assegurar a fotossíntese diária. Fica a cerca de 15 minutos a pé da estação de comboios de São Pedro de Estoril.
PUBLICIDADE
Praia da Poça

Praia da Poça

Para o caso que nos interessa, meter a pata na poça é altamente recomendável e garantia de sucesso. Saia na estação do Estoril e faça o percurso a pé (cerca de cinco minutos) pelo Paredão. Uma escada e uma rampa indicam-lhe o caminho até ao areal habitualmente ocupado por famílias. Para reclinar as costas, centre atenções no paredão e cace uma cadeira no restaurante Opíparo (para pizzas, saladas e massas, bifes ou pratos de peixe) ou no snack-bar Surpresa. Caracóis (a partir de 4,50€), pica-pau (7,70€) e amêijoas (12,50€) destacam-se na carta de petiscos.
Azarujinha

Azarujinha

Já que está na Poça, aproveite a boleia e siga para a Azarujinha através do passeio marítimo. O procedimento é o mesmo para quem vem de comboio (sair no Estoril e ir andando), até porque o acesso à praia é pedonal. A alternativa é usar as escadas associadas ao acesso pela Av. Marquês de Leal. O pequeno cenário é aparentado de um daqueles postalinhos, com o anfiteatro natural, rodeado por falésias. Já não encontrará figuras ao nível de Bino, velho pescador e nadador salvador conhecido por untar as costas das raparigas com creme, mas outras personagens andarão por ali.
Praia das Moitas (aka Praia da Rata)

Praia das Moitas (aka Praia da Rata)

Uma tosta especial no Baiuka Grill pode passar dos 6€ mas tem tamanho suficiente para não precisar de fazer mais nenhum pit stop ao longo do dia de banhos. Se é daquelas pessoas que só se atreve a ir para a praia de estômago minimamente confortado, está bem entregue na Praia das Moitas, aka Praia da Rata. As suas pernas agradecem a localização abençoada, junto à estação do Monte do Estoril, e os acessos facilitados. É uma praia pequena e rochosa, portanto todo o cuidado com acidentes é pouco. A sua companhia prefere águas paradas? Encaminhe-a para a piscina oceânica Alberto Romano, ali ao virar da esquina. Funciona das 08.00 às 18.00 e tem acesso livre.
PUBLICIDADE
Praia da Conceição

Praia da Conceição

A “Riviera portuguesa”, a norte de Lisboa, continua a cair no goto de publicações de lifestyle, incluindo a levíssima revista Telva, que em Maio gabava as maravilhas da zona, num longo artigo dedicado ao “refúgio europeu da moda”. A marcar o início do passeio marítimo de três quilómetros, que se estende até à Azarujinha, em São João do Estoril, está a praia da Conceição (há uma capelinha junto à praia erguida em honra de Nossa Senhora da Conceição, daí o nome). A localização, em pleno Cascais, é privilegiada, e para mais situa-se entre o Chalet Faial e o Hotel Albatroz, a partir de cujo terraço a vida se torna mais suave para qualquer mortal. Acompanhe com petiscos entre os 5 e os 18€. Ostras, prego no pão com alho, sanduíche club, você decide. Espreite ainda a novidade da zona, o Bar da Praia, o primeiro espaço do paredão, com pizzas, bruschettas e polenta.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Now, with the President

Mamadou Ndiaye, my friend and partner in Senegal with the President of Senegal, Macky Sall, preparing the work in west africa. Congrats Mamadou. After his visit to Estoril last month, it's my turn to go to Senegal, in a couple of months. Nice.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Les nouveaux jeunes dirigeants du monde:

Les nouveaux jeunes dirigeants du monde: Canada 🇨🇦 : Justin Trudeau - 45 ans Belgique 🇧🇪 : Charles Michel - 41 ans Luxembourg 🇱🇺 : Xavier Bettel - 44 ans France 🇫🇷 : Emmanuel Macron - 39 ans


terça-feira, 20 de junho de 2017

Vila Giralda no Estoril

Estoril. O meu amigo Mamadou, do Senegal, acabou de chegar de Madrid, de uma reunião.com Florentino Perez, presidente do Real de Madrid e da empresa construtora ACS. Eu levei—o a uma casa emblemática para todos os monárquicos, Vila Giralda, no Estoril. Em especial para os espanhóis. Quizz: Sabem porquê? 


Mamadou's favorite private airplane at Tires airfield


Do you want to Skydive?

Alexandre Alves, Sevenair, and Mamadou from Senegal. Do you want to Skydive with us?


sábado, 3 de junho de 2017

Cimeira inédita sobre futuro do vinho reúne mais de 100 empresas de 14 países em Cascais



Mais de 100 empresas de 14 países, sobretudo da Europa, vão participar, na próxima semana, em Cascais, na primeira edição do Wine Summit, que tem como mote debater o futuro nas várias vertentes do vinho.
Em declarações à agência Lusa, Rui Falcão, um dos promotores, enumerou os dois principais motivos para os participantes pagarem mais de 700 euros para esta cimeira de três dias, de 7 a 9 de junho: “o networking (rede de contactos), tendo em conta que os inscritos são sobretudo decisores, mas sobretudo pela parte cientifica”.
“O propósito do Wine Summit é pensar no futuro, naquilo que são as grandes tendências para o mundo do vinho, numa forma global. O que é decisivo para quem tem de tomar decisões”, comentou.
O promotor referiu que esta é uma conferência dirigida a profissionais e onde estarão “algumas das pessoas mais influentes do mundo do vinho, nos seus vários aspetos”, num investimento de cerca de 600 mil euros.
Com o objetivo de se tornar no evento anual “mais procurado e esperado” no setor, a cimeira do vinho vai tornar-se pela primeira vez uma realidade graças ao seu “caráter inédito, ao juntar o mundo do vinho numa abordagem transversal”, pela “ideia de discutir o futuro e pela credibilidade da organização”, segundo Rui Falcão.
O promotor também acrescentou à lista de justificações o “facto de ser em Portugal, que é um país que está em ascensão mediática, e que ao mesmo tempo, apesar de ser muito importante no mundo do vinho, acaba por ser um grande desconhecido internacionalmente”.
O responsável perspetiva que a primeira edição seja a “primeira de muitas, seguramente”.
“E o nosso objetivo, que não é nada modesto, é transformar o Wine Summit num dos eventos mais marcantes do ano internacional e que se torne no evento mais procurado e esperado do ano internacionalmente no mundo do vinho”, admitiu.
Da lista de sessões, no Centro de Congressos do Estoril, constam temas como produção de vinho em altitude, ‘marketing’, turismo, identidades regionais, tendências de consumo, a eventual influência asiática na redefinição de paladares ou as variedades desconhecidas de vinhas.
Segundo a organização, a cimeira reúne 20 oradores de 10 países e a lotação é limitada a 500 pessoas.
Portugal é o 11.º produtor mundial de vinho e o 5.º maior europeu, com as exportações a atingirem 727 milhões de euros em 2016.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Mr. Le ministre visite Sevenair et Alsace & Bastille - Paris au salon Air Summit Portugal

quinta-feira, 25 de maio de 2017

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Do you need a job?


Cascais quer todos os voos executivos da zona de Lisboa

Autarquia fez seguir pedido para certificação de nível IV para o regulador. Espera-se que até ao final do ano haja autorização da ANAC

O aeródromo de Tires está a preparar-se para receber mais passageiros e voos de maior porte, tornando-se uma alternativa, à esgotada Portela, para os voos privados. O DN/Dinheiro Vivo sabe que a autarquia fez seguir um pedido para o regulador da aviação civil (ANAC) para que aquele aeródromo possa receber uma certificação de nível IV e posicionar-se como preferencial para a aviação executiva. “Num cenário em que a Portela está esgotada, Cascais poderá tornar-se uma alternativa para os voos executivos”, adiantou fonte conhecedora do processo. A autarquia de Carlos Carreiras não faz comentários, mas ao que foi possível apurar, será o próprio vice-presidente, Miguel Pinto Luz – que chegou a ser secretário de Estado dos Transportes no último governo de Passos Coelho, que durou apenas um mês -, quem estará a conduzir o delicado processo. - Veja mais em: https://www.dinheirovivo.pt/economia/cascais-quer-todos-os-voos-executivos-da-zona-de-lisboa/#sthash.VaR9K1hv.dpuf