Alsace et Bastille

Alsace & Bastille - Conseil en Stratégie. Paris, Estoril
-Consultancy in Real Estate, Celebrity aviation, railway business, Consultancy in Export Strategy; E-mail: or to Twitter adress Vitor Pissarro @VitorPissarro

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Come to GreenFest, in Estoril, and visit SOS ( Salvem O Surf).

Pela primeira vez, a S.O.S - Salvem o Surf vai juntar-se ao GreenFest, o maior evento de sustentabilidade do país.

Inspirado no formato americano, o GreenFest é o maior evento de sustentabilidade do país, celebrando o que de melhor se faz nas três vertentes: económica, social e ambiental. Após o enorme sucesso dos anos anteriores, o GreenFest prepara-se para a 4ª edição do evento, a decorrer nos dias 28 de Setembro a 02 de Outubro, no complexo FIARTIL, Estoril.

É com orgulho que a S.O.S - Salvem o Surf tem o prazer de anunciar a sua primeira participação neste grande evento. Durante os cinco dias do evento, a S.O.S estará presente no GreenFest para dar a conhecer aos visitantes o projecto da associação, bem como recolher assinaturas de novos sócios para que a S.O.S continue a crescer.

Relembramos que esta é também a primeira vez que a S.O.S tira o pé da areia e participa num evento fora do âmbito do surf para se juntar a outros movimentos de defesa do ambiente.

Mas há muito mais para ver e experienciar no GreenFest 2011. Entre os quais, um Swap Market (um mercado de perder a cabeça, onde poderá trocar objectos em bom estado, que já não usa, por outros que sempre lhe fizeram falta. Um mercado de trocas de bens, que não envolve dinheiro); Mercado Biológico; Workshops e Actividades Lúdicas e Desportivas.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Glamour no Estoril - Prost visitou o Estoril e encantou os fãs!

A dupla Nicolas Prost/Neel Jani (Lola) alcançou hoje a “pole position” para as 6 Horas do Estoril, prova a contar para o campeonato Le Mans Series que se disputa no domingo a partir das 13:00.
No Autódromo do Estoril, Prost e Jani registaram o melhor tempo da sessão de qualificação, com 1.30,118 minutos, e foram mais rápidos do que a equipa formada por Emmanuel Collard, Christophe Tinseau e Julien Jousse, que, com um Pescarolo-Judd, registou 1.30,317 e vai arrancar do segundo lugar.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Come to Estoril and watch the Le Mans Series's car race finals

Estoril hosts the Le Mans Series’ finals

The fifth and last round of the 2011 Le Mans Series will take place on the Estoril circuit near Lisbon on 23?25 September. While some titles are already in the pocket, others are still up for grabs! This is the case in LM P1 where the final showdown will take place between Rebellion Racing and Team Pescarolo; and also in LM P2 with Greaves Motorsport poised to win its first title in the Series.
After the thrilling Autosport 6 Hours of Silverstone, the Le Mans Series heads south to finish its season beside the River Tagus and the Atlantic ocean in the Estoril 6 Hours, a stone’s throw from Lisbon. After a long season, the teams and drivers will have a final opportunity to shine in the Portuguese round, win titles or save their honour after a few difficult events.
The Pescarolo team, which made a good start to the season with a win at Le Castellet, has found itself up against increasingly tough opposition from Rebellion Racing in the title chase. The two squads were dead?heating before Silverstone where the Swiss outfit’s fourth place gave it the lead. In the drivers’ classification Jousse?Collard?Tinseau still have a point in hand over Bellichi?Boullion. The outcome will be decided between the two teams and their top driver line?ups in Portugal.
Greaves Motorsport arrives at Estoril after an exceptional season so far, and took a big step towards the title at Silverstone with its third victory in four Le Mans Series races, in addition to its historic success in the Le Mans 24 Hours. Boutsen Energy Racing and Strakka Racing on level pegging in terms of points can still snatch the title mathematically speaking, but they have to win and hope that the Greaves Motorsport trio Ojjeh?Lombard?Kimber?Smith does not finish.
The championship has already been decided in LM GTE Pro as the AF Corse team has won almost all the rounds this season (three victories plus a second place), and can no longer be caught. Giancarlo Fisichella and Gianmaria Bruni, who form a skilled harmonious pairing, will be determined to finish the season on a high note and beat their most dangerous rivals, the Hankook Team Farnbacher and Felbermayr?Proton squads.
In LM GTE Am, IMSA Performance Matmut scored a decisive victory at Silverstone. Raymond Narac and Nicolas Armindo have won three times on the trot, and want to add a fourth success to their tally on the tricky Estoril circuit. AF Corse, which could have pulled off the double GTE Pro?GTE Am, will try and end its 2011 campaign with a victory.
Pegasus Racing is also poised to win its first Le Mans Series crown after Julien Schell?Mirco Schultis?Patrick Simon clinched the drivers’ title at Silverstone. The French team has had an almost perfect year with three wins and a second place, having beaten its most serious rival Genoa Racing in each race. The American team is giving the Estoril 6 Hours a miss leaving the door open for JMB Racing to snatch second place.
Supporting races for the Portuguese round of the Le Mans Series include the Radical Masters, Classic Endurance Racing and the Speed Series events.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

History of Palácio Estoril Hotel. - Famous people that visited Estoril

The Palácio Estoril Hotel, Golf & Spa commemorates 80 years since its inauguration, on 30 August 1930.

Eighty years after its opening, the Hotel Palácio Estoril is a single example of the good old-fashioned compared to modern times, remaining untouchable in its characteristics of a grand PALACE. Situated in a privileged location, there are only a few places like that around the world, which maintain in addition to their beauty,... faultless service, regular maintenance, and adequate updating to keep up with the modern world. In actual fact this GRAND Palácio Estoril HOTEL is still considered as one of the last posh places in Portugal and indeed a rare one in Europe.

The history of Palácio Estoril mixes reality with fiction: The Hotel went through a world war and a national revolution; it was also the stage of notable events in golden eras and it also served as a refuge for most European leaders in periods of crisis; it lodged spies and was as well the chosen venue for shooting films – like the famous Agent 007, James Bond movie, “On Her Majesty’s Secret Service”. Nowadays it is one of the most sought after venues in Portugal for filming advertisement sceneries, for fashion publishing enterprises and big-star interviews.

Since the honeymoon of Prince Takamatsu, the brother of Emperor Hirohito of Japan in 1930 – which is considered as the zero year – the Palácio has been the chosen place in Portugal for the stay of countless kings, princes, as well as cinema, music and television stars, writers, collectors, politicians and businessmen. In the 40’s and 50’s it was chosen by members of the Spanish, Italian, French, Bulgarian, Albanian, and Romenian royal families. In the 60’s it was the turn of millionaires, actors and the newly emerging jet set personalities. In the 70’s and 80’s many of the big stars returned, and at the end of the XX century, the Palácio continued to receive members of the European royalty, music hall artists, car racing champions, actors and sportsmen.

The book of honour, the picture albums, and the guests records of the Hotel Palácio are valuable testimonies and proof: such as queen Vitoria Eugenia of Spain, all the Spanish royal family, princess Grace and prince Rainier of Monaco, Antoine de Saint-Exupery, Graham Greene, Joan Baez and Madeleine Albright are but just a few of the hundreds of the famous guests who had chosen the Palácio in Estoril. The Hotel’s historical highlights were the wedding festivities of princess Maria Gabriela de Saboia in 1955, and that of the Spanish princess Pilar – the king’s daughter, in 1967.

The Palace was designed at the beginning of the XX century by the French architect Henry Martinet, copying other European fashionable places like Biarritz. The Palácio of Estoril has not aged, managing to keep up through the century and always with the mastery of the greatest and the best. Now, in 2010, whoever visits the salons and the terrace and walks around the garden that surrounds the swimming pool, and whoever is lodged in one of the magnificent rooms, that faces the sunset in the Cascais bay would believe that beauty and quality are everlasting and therefore are forever imprinted in the minds of the eye of the beholder. The Palácio Estoril continues to be preserved with professionalism by its current owners and to be fondly esteemed by its guests who in successive generations do not abandon it and keep on coming.

Today, the Palácio Estoril has completed its offer with the opening of the Banyan Tree Spa, one of the most prestigious in the world. The “Salons” of the Palácio, the bar, the
restaurants, the Bougainvillea Terrace, also recently opened, a lush garden and magnificent swimming pool, complete an extensive choice of rooms and suites, all renovated to confirm that after 80 years of activity without interruption, the Palácio Estoril is the Grand & Cosy Hotel, that always was and will be spoken at Estoril.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

O hotel em Cascais onde o luxo anda de chinelos de praia - Economia - DN

O hotel onde o luxo anda de chinelos de praia - Economia - DN

Espaço hoteleiro que faltava à Quinta da Marinha, em Cascais, nasceu no ano passado e a procura já superou todas as expectativas.
O The Oitavos é uma aposta recente da família Champalimaud na área do turismo. Um hotel de luxo na Quinta da Marinha, à beira da estrada do Guincho, em Cascais. Construído em forma de "Y" - ou seja com três alas que se tocam numa ponta -, é já considerado por Miguel Champalimaud, director da unidade, como o "clímax de todo o desenvolvimento" daquela região. (...)

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Car race is back to Estoril

Le Mans Series Estoril 2011 De 2011-09-23 a 2011-09-25
De 23 a 25 de Setembro, o Circuito do Estoril será o palco da última etapa da mais prestigiada prova automobilística de endurance do mundo. Os melhores e mais resistentes pilotos da actualidade serão postos à prova, até ao limite, na prova 6 Horas Estoril.
Nesta edição do Le Mans Series participam cerca de 36 carros, de 13 marcas entre as quais Ferrari, Porsche, Aston Martin, Audi, entre outras, conduzidos por não menos de 86 pilotos, de 29 equipas.
A Costa do Estoril integra assim o restrito grupo das 5 pistas europeias que recebem este grande evento automobilístico. À prova portuguesa antecederam-se as etapas nos circuitos de Le Castellet (França), Spa‐Francorchamps ( Alemanha), de Imola (Itália) e de Silverstone (Reino Unido).
Mais informações em e

segunda-feira, 12 de setembro de 2011


Prestações para empréstimos das casas vão manter-se ou até descer

por Agência Lusa, Publicado em 09 de Setembro de 2011   
As prestações dos empréstimos para habitação indexados às Euribor não deverão continuar a tendência de subida verificada nos últimos meses, e até poderão cair, devido à expectativa de manutenção das taxas de juro de referência do Banco Central Europeu (BCE).

"Nos próximos meses, os portugueses vão deixar de ver as suas prestações a aumentar, pelo contrário, vão voltar a ver a diminuir", disse à agência Lusa o economista da IMF - Informação de Mercados Financeiros, Filipe Garcia.

O economista frisou que a manutenção da taxa de juro de referência nos 1,5 por cento decidida quinta-feira pelo BCE mostra "claramente que o ciclo de subida das taxas vai ficar interrompido nos próximos meses".

Já a economista do BPI, Teresa Gil Pinheiro, considera que as taxas Euribor "devem ficar nos níveis atuais, sem grandes variações".

Mas, segundo o economista da IMF, o impacto da decisão do BCE sobre as Euribor já se começou a sentir, afirmando que as mesmas já não estão nos máximos, mas sim em queda ligeira.

"Olhando para as Euribor a seis meses, verificamos que em julho passaram os 1,80 por cento e já estão agora nos 1,70 por cento. O mais normal é que possam vir a recuar um pouco mais. Para já, enquanto houver esta perspetiva de manutenção de taxas, ainda há espaço para descer um pouco mais, mas não muito mais", disse Filipe Garcia.

O responsável realçou ainda que "o mercado de futuros está a descontar que pode haver uma descida da taxa de juros no final do ano", sublinhando contudo não ser essa a sua perspetiva.
"As Euribor a três meses em dezembro está a ser estimada pelo mercado em 1,1 por cento e a de março em 1 por cento", exemplificou.

Teresa Gil Pinheiro explicou que "face aos últimos acontecimentos tudo apontava para a manutenção da taxa de juro do BCE e a haver uma subida não seria em setembro mas em outubro".

A economista frisou que, apesar de os indicadores macroeconómicos recentemente divulgados terem ajudado à decisão do BCE, o fator "incerteza" é o que pesa mais, devido à perturbação que a economia da zona euro tem sentido por causa da crise da dívida soberana.
Filipe Garcia justifica a manutenção da taxa de juro de referência pelo BCE com a perspetiva de moderação da inflação em 2012, para valores abaixo dos 2 por cento, refletindo um menor dinamismo económico.

"As taxas vão ficar inalteradas durante algum tempo", disse.

Teresa Gil Pinheiro revelou à Lusa que a expetativa do BPI é que o "BCE mantenha a taxa de referência até ao final do ano e provavelmente durante boa parte do próximo ano, numa lógica de taxas baixas até meados de 2013"

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Periódico Expansion - dossier Fuera de Série

Noches a la portuguesa

J. A.
Las terrazas, reclamo del verano, apuran el último mes de vacaciones con apetecibles propuestas que invitan a relajarse, darse un capricho gastronómico y, porque no, alargar un poco más este periodo del año.
La proliferación de las ofertas en estos espacios al aire libre también ha desembarcado en nuestro país vecino. Un ejemplo de ello es el lounge On The Rocks del Farol Design. Este vanguardista hotel está situado en Estoril, destino veraniego por antonomasia para los portugueses que concentra en poco más de 8,79 km2 todo el encanto de una localidad costera.
Esta vasta terraza, ubicada en la zona de la piscina del resort, se orienta en dirección al mar, lo que asegura unas vistas paisajísticas privilegiadas mientras uno se acomoda en las numerosas tumbonas, camas y sillones de inspiración ibicenca colocados estratégicamente por zonas. Abierto hasta altas horas de la madrugada, destaca por su amplia carta de cócteles de creación propia entre los que despunta el On the Rocks, elaborado con Martini rosado, licor de menta, Sprite y un toque de menta (8 €).
Otra opción es deleitarse con las dos propuestas del restaurante que dirige Sergi Arola en el Penha Longa Spa & Resort, ubicado en la ciudad portuguesa de Sintra. El prestigioso chef ha creado, por un lado, el Arola Pink Nights dirigido exclusivamente a las mujeres. A través de esta iniciativa, ellas pueden beneficiarse de una noche con barra libre en la carta de cócteles en el que se incluye la denominada Sangría Arola, obtenida a partir de cava, zumo de naranja y de limón, limonada gasificada, fresa, azúcar y licor (25 € sin la oferta).
Por otro lado está el menú degustación Arola Tapas, comprendido por una selección de estas pequeñas delicias gastronómicas creadas por el discípulo de Ferran Adriá, en combinación con una lista de vinos elegidos por el sumiller del resort. Cada domingo por la noche por un precio de 42 € por persona.
Más info: Farol Design Hotel: tel.: 00 351 21 482 34 90; Penha Longa: tel.: 00 351 21 924 90 11; w

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Dicas para vender a sua casa mais rápidamente

 Garantir a atractividade do imóvel, por exemplo, com o arranjo do jardim, ou então, uma piscina.Olhe para a sua casa (interior e exterior) e pense como o comprador. Tudo o que pode desvalorizar a casa deve ser eliminado. Optar por fazer pequenas reparações pode ser a solução: resolver uma infiltração, pintar os tectos e as paredes (preferencialmente de cores claras para dar mais espaço e luminosidade à casa), remodelar a casa de banho ou a cozinha, arranjar janelas que não funcionam. Pode até redecorar a casa para a tornar mais atractiva ao maior número de compradores. Há mesmo empresas de ‘home staging' que se especializaram neste capítulo. Mas atenção, antes de avançar faça um orçamento para garantir que o dinheiro que vai gastar nas obras compensa. Para as visitas ao imóvel deve ter sempre o cuidado de criar um bom ambiente: cortinas e estores abertos, aquecimento ligado no Inverno ou janelas abertas no Verão, retirar o excesso de mobílias para dar maior amplitude aos espaços e há quem leve ao extremo de fazer café e pôr um bolo no forno para criar a sensação máxima de conforto.

Mas para ser mais eficaz, que tal fazer um arranjo no jardim e fazer uma piscina? Para uma moradia de 400 mil ou 500 mil euros, o investimento de 10 mil  ou 20 mil euros não parece muito elevado. E o resultado é garantido.

veja por exemplo as piscinas da Pronado,

O FMI chegou ao imobiliário

O contexto económico alterou-se e Paulo Fernandes não cruzou os braços. Reaproveitou conceitos outrora secundarizados e deixou que o FMI batesse à porta de quem quer casa. É o pacote Anti-Crise da Troika imobiliária.
Paulo Fernandes é fascinado pelo mundo da habitação desde que se lembra de ser gente. "Tudo começou com o meu pai, que sempre se dedicou à construção civil." Nasceu, cresceu e fez-se homem entre cimento, tijolos e azulejos.

Foi na faculdade que a oportunidade de entrar no sector surgiu. Enquanto folheava um jornal, viu um anúncio de recrutamento para comerciais imobiliários ao qual respondeu. Experimentou, teve sucesso e, três meses depois, estava a gerir uma loja de uma imobiliária que, sozinha, transaccionava mais de cinco milhões de euros por mês. "Daí a ter a minha própria imobiliária foram dois meses." Em Novembro de 1998, nascia a Fitamétrica.

A crise financeira mundial rebentou em 2008 e, desde então, a crise económica que o país atravessa parece longe de culminar. O FMI (Fundo Monetário Internacional) foi uma das organizações que veio impor a ordem por cá e a Fitamétrica aproveitou a deixa para lançar o Facilitador de Mediação Imobiliária (FMI), um pacote Anti-Crise, cujo objectivo é responder às novas necessidades dos clientes. "O mercado imobiliário tem que se reinventar, através da instrumentalização de novas formas de comercialização: a permuta, os imóveis de investimento, o arrendamento simples ou com opção de compra, os contratos de longa duração, a gestão de imóveis em arrendamento, os imóveis 100% financiados, entre outros."

Em Junho passado, surgiu um conjunto de serviços que pretende afastar a crise. O "Comprar imóveis" permite o acesso a permutas, financiamento a 100%, arrendamento com opção de compra, a contratos- -promessa de compra e venda de longa duração e a imóveis exclusivos. Com o "Vender Imóveis", o vendedor percebe o número de potenciais clientes compradores que tem na base de dados da rede, de acordo com as características da sua casa. "Arrendar Imóveis" integra a gestão do mesmo, arrendamento com opção de compra, arrendamento temporário, específico para férias e dos imóveis exclusivos. As permutas abrangem as casas exclusivas, enquanto que o serviço "100% financiados" permite o financiamento total e o arrendamento com opção de compra, inclusive dos edifícios exclusivos. Por último, a "Gestão de Imóveis" também fica a cargo do FMI.

"Em termos comerciais, ainda é cedo para definir quais os resultados obtidos pelo pacote, porque foi lançada apenas há três meses", diz Paulo Fernandes. Contudo, o director explica que a dinâmica das lojas, clientes e da própria comunicação social tem superado grandemente as primeiras expectativas. O fluxo de pessoas que tem procurado a rede tem sido "muito interessante".

"Alguns destes serviços, como os imóveis 100% financiados, os contratos-promessa de compra e venda de longa duração e o arrendamento com ou sem opção de compra representam hoje uma fatia significativa das nossas transacções imobiliárias." Por outro lado, também começam a ter muitos pedidos de clientes que pretendem realizar uma permuta imobiliária, quando no ano passado esta procura era quase nula. "Apesar de ainda ser cedo, este pacote pode já ser considerado um sucesso."

Urgente repensar o mercado imobiliário
A ideia de criar um FMI para o universo imobiliário surgiu no dia-a-dia, no contacto com os clientes e de uma análise ao mercado. "É necessário adequar as soluções imobiliárias às necessidades dos nossos clientes." Paulo Fernandes diz estar "constantemente" a antecipar o mercado. O pacote Anti-Crise foi apenas um exemplo da necessidade de inovar da empresa, tendo lançado recentemente um produto que, segundo Paulo Fernandes, vai servir um mercado em explosão nos próximos anos: a Gestão de Arrendamentos.

"Com a crescente subida dos níveis de endividamento do Estado, famílias e empresas, torna-se urgente repensar o modelo em uso pelo mercado imobiliário." A Fitamétrica tem vindo a apostar em alternativas à tradicional compra e venda de habitação, tendo como opções soluções que até então eram secundarizadas e desaproveitadas, para satisfazer novos nichos de mercado e as novas tendências. "Nem todos podem comprar casa hoje, mas muitos podem atingir esse objectivo com o recurso a novas (ou renovadas) ferramentas." Objectivo: minimizar e controlar o risco, controlando as condições necessárias ao sucesso de cada investimento.

Se a mediação imobiliária atravessa um processo de reestruturação e mudança, é neste contexto que têm de ser cridas as condições para dar a volta por cima. "Temos que ser resilientes e criativos, procurando na solidez das soluções e transparência dos procedimentos os ingredientes essenciais para que a confiança regresse", afirma Paulo Fernandes.

O director da Fitamétrica acredita que só vão sobreviver os mais capazes e que se irá assistir a movimentos de consolidação e fusão de redes imobiliárias, diminuindo a concorrência e aumentando o nível de exigência e competitividade.

Bilhete de identidade

Nome Paulo Fernandes
Cargo Director Executivo
Área de actividade mediação imobiliária, gestão e exploração de franquias
Início de actividade Novembro 1998
Número de colaboradores 9
Investimento inicial 5 mil euros
Facturação 2010 5,8 milhões de euros (global da rede e da Netfran)

Era uma vez um vidro partido
Aos 10 anos, Paulo Fernandes partiu um vidro de uma lavandaria enquanto brincava com os amigos nas férias. Como castigo, o pai obrigou-o a trabalhar no negócio da família: construção civil. A partir daí, todas as férias foram passadas a trabalhar com o pai, com quem aprendeu os valores que devem nortear uma empresa: responsabilidade, objectivos, profissionalismo e rigor. Sabia que tinha de ter o seu negócio e hoje trabalham mais de 250 pessoas sobre um sonho.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Utiliza as redes sociais?

Ponha as redes sociais a trabalhar para si

Se forem bem utilizados, o LinkedIn, o Twitter, o Facebook e o Google + podem fazer mais pela sua visibilidade profissional do que a presença em conferências. Saiba como tirar partido destas ferramentas e invista algum tempo no "networking" digital.
Qual é o seu nível de popularidade nas redes sociais? Quantos amigos tem no LinkedIn, quantos o seguem no Twitter e quantos "gosto" têm os seus posts no Facebook? Estes são os KPI em que deve concentrar-se para medir a sua relevância no mundo das redes sociais profissionais. E o assunto é cada vez mais sério já que os números contam verdadeiramente para quem quer garantir visibilidade profissional e "peso" nos fóruns relacionados com a sua área de especialização.

Quer se interesse ou não por redes sociais, e mesmo que ache que ter "amigos virtuais" é mais chato que alimentar amizades reais, esta é uma componente da sua carreira profissional que deve levar a sério, reservando algum tempo para investir em aumentar a rede de contactos e em dinamizar a sua participação. Mas sem disparar em todas as direcções, apostando nos locais certos e com participações relevantes.

LinkedIn e Twitter são os mais cotados, mas o BranchOut do Facebook e o Google + começam a ganhar destaque nas referências profissionais. E os serviços alargam também a sua "função" a áreas paralelas à simples ligação a amigos, colegas e conhecidos, entrando em sectores como a oferta de emprego e de procura de parcerias de negócio.

As redes sociais profissionais não têm a mesma dimensão de sucesso do Facebook, mas conseguem audiência entre quem quer manter perto os contactos feitos no âmbito dos negócios, estreitando círculos de confiança que podem dar azo a novas oportunidades de carreira e projectos empresariais. Por isso tornam-se ponto de passagem obrigatório para quem quer estar no mapa das relações de negócios e até forma de contacto mais eficiente por via electrónica do que o correio electrónico "puro e duro".

Se está à procura de um colaborador ou de um parceiro numa área específica, uma das melhores fontes de informação pode ser um fórum especializado no LinkedIn. E antes de comparecer numa reunião com um possível cliente será que vale a pena espreitar a sua conta no Facebook e no Twitter para perceber em que áreas se centram os seus interesses profissionais e de lazer? Mas lembre-se que este é um caminho de duas vias, e que provavelmente o seu cliente poderá fazer a mesma pesquisa nas suas páginas…

São estes os trunfos que muitos já usam nas redes sociais profissionais. Estas são muito mais do que a partilha de fotografias dos gatinhos e das férias, ou os "check in" em restaurantes e aeroportos e comentários mais ou menos cáusticos sobre a situação política ou económica. O que interessa realmente é usar o seu conhecimento e experiência para os comentários certos no momento certo. É isso que vai garantir-lhe a desejada visibilidade. E nem precisam de ser muitos por dia ou por semana. Como noutras questões da vida, o que interessa é a qualidade e não a quantidade…

Também por isso não há "métricas" únicas de sucesso. Se para um economista ser bem sucedido é preciso ter no telemóvel os números pessoais de directores de bancos e das maiores empresas, aqui convém ter os seus "melhores" contactos profissionais na lista de amigos e ser "visto" e "ouvido" por quem interessa.

No LinkedIn a partir de 500 amigos passa a ser uma "estrela" e aqui o sucesso mede-se também pela dimensão internacional da rede: muitos contactos noutros países é positivo para mostrar a capacidade de globalização. Já no BranchOut são os crachás recolhidos que mostram o seu sucesso. E não são nada difíceis de coleccionar com a ajuda da rede de amigos do Facebook.

Também o Google + acaba por crescer quase de forma orgânica, mas o Twitter e o Startracker exigem mais investimento inicial. Se tomar as opções certas e evitar os erros mais frequentes os resultados são quase de certeza positivos.

Para um networking mais eficiente, em vez de estar presente em apenas uma destas redes, o melhor é estar em todas. E nem sequer é muito difícil de o fazer, porque a informação que partilha pode ser a mesma e em muitas delas há formas de intercruzar dados e de reutilizar contactos. Fica só um aviso adicional: prepare-se para gastar algum tempo a gerir os pedidos de amizade e a investir em alargar a sua rede.

Serviços nos quais deve investir

Há muitas redes sociais, mas algumas são de investimento obrigatório. Verifique quais as particularidades de cada uma e as "dicas" para ter mais sucesso.


Uma rede de 500 contactos profissionais permite-lhe chegar a mais de 6 mil profissionais, que de alguma forma fazem parte da sua "rede alargada", onde pode encontrar parceiros, oportunidades de negócio ou até o seu próximo patrão. O LinkedIn é um dos sites de networking digital mais bem cotados e tem vindo a agregar cada vez mais funcionalidades, integrando até algumas características de outros serviços, como a possibilidade de importar os tweets da sua conta do Twitter.

O site foi lançado em 2003 e os últimos números mostram que há tem mais 120 milhões de membros, 26 mil dos quais na Europa. A participação base é gratuita mas há ferramentas adicionadas a quem quiser investir numa conta premium. As empresas têm também um espaço especial no LinkedIn Company Pages.

Vale a pena apostar em:

- Ter um currículo muito completo
- Participe em grupos de discussão relevantes para a sua área de interesse
- Fazer a ligação com a sua conta do Twitter
- Criar uma página para a sua empresa

terça-feira, 6 de setembro de 2011

El Corte Inglés vem para Cascais.


O resultado líquido do El Corte Inglés em Portugal cresceu 9,9 por cento no ano passado, face a 2009, para 17,4 milhões de euros, informou hoje a empresa através de um comunicado.

Já o volume de negócios da empresa portuguesa que faz parte do grupo retalhista espanhol e que opera no mercado português desde há nove anos ascendeu a 408 milhões de euros em 2010, sete milhões acima do registo do ano anterior.
"Estes resultados são considerados pelo grupo como muito positivos, tendo em conta o período de desaceleração económica a que se referem e refletem, sobretudo, o esforço de melhoria da eficácia operacional da empresa", assinalou o Grupo El Corte Inglés, cujo ano fiscal termina a 28 de fevereiro de 2008.
"O El Corte Inglés continua empenhado em investir em Portugal e tem previstos novos projectos para os próximos anos, designadamente a construção de uma nova unidade de grandes armazéns, na área de Cascais, e a inauguração de novos supermercados Supercor", avançou a empresa.
Os investimentos realizados em imobilizado neste exercício, ultrapassaram os 44 milhões de euros.
Os custos e despesas de exploração ascenderam neste exercício a 375,2 milhões de euros, em comparação com os 368,1 milhões de euros registados no ano anterior.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

A Casa das Histórias de Paula Rego ( em Cascais) é, para Sofia, um produto de excelência.

Por um lado, porque alberga a colecção da artista portuguesa radicada em Londres, por outro "pelo edifício excepcional do arquitecto Souto de Moura", distinguido com o prémio Pritzker de arquitectura este ano. "É ao lado de minha casa, vejo-o todos os dias, surpreende-me sempre que por lá passo", diz Sofia Cerveira, 36 anos, apresentadora da SIC,  sobre a construção, acrescentando: "Tal como as pinturas da Paula Rego". "Sou uma espectadora assídua. Sempre que posso acompanho as exposições, tantas as habituais como as itinerantes. É uma tarde bem passada", conclui.
Neste momento, pode ser vista no museu a obra 'Oratório', o mais recente trabalho da artista (2008-2009), criado a partir de um convite o Foundling Museum de Londres e que fez parte da retrospectiva do trabalho da pintora no México e no Brasil. Há também, desde 7 de Julho, um novo percurso expositivo pelas obras da colecção

Que bom! O Verão voltou.....

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Assim como aconteceu com aTroika, é bom ouvir a opinião dos estrangeiros!

Peter Villax. "Os portugueses não gostam de trabalhar"

por Isabel Tavares, Publicado em 02 de Setembro de 2011  |  Actualizado há 11 horas

O herdeiro da Hovione diz que só se lembram dos ricos para pagar impostos, mas não os desafiam a criar riqueza. "O empresário português é um privilegiado..."
Este é o homem que irritou Sócrates quando, numa conferência em que participavam empresários, economistas e políticos, disse ao então primeiro-ministro, que tinha acabado de discursar: "Eu tenho um problema essencial consigo: os seus actos não reflectem as suas palavras". Foi aplaudido de pé. Peter Villax, vice-presidente da Hovione, uma multinacional com sede em Portugal que factura mais de 100 milhões de euros, diz que os portugueses gostam de trabalhar... pouco!

Qual a sua opinião sobre os aumentos de IRS e de IRC para os mais ricos ?

É uma necessidade política mas um disparate económico. O Warren Buffett já diz há muitos anos que paga menos impostos que a secretária, mas isso tem a ver com os créditos fiscais americanos, que são muito complexos e permitem a um bilionário com bons advogados acabar por pagar relativamente menos. Mas aqui em Portugal a carta de Buffett foi o rastilho para a discussão sobre a taxação dos ricos, o que caí sempre bem na opinião pública, e permite dizer que estamos todos a partilhar o sacrifício, etc.

E não estamos?

É um tiro no pé, porque são justamente os ricos que têm dinheiro para criar emprego. Estou farto desta demagogia, os ricos não são o problema, os pobres é que são o problema! É com os pobres e com a pobreza que temos de acabar, não é com os ricos!

O que sugere?

Em vez de lhes pedirmos mais impostos, deviamos mas é baixar-lhes a taxa em troca da criação de empregos novos!

Faria muito mais sentido baixar a taxa máxima de IRS de accionistas de referência em 1% por cada 250 empregos novos gerados. Só nos lembramos dos ricos para cobrar impostos.

A Taxa Social Única ainda está a ser ponderada...

O meu objectivo, como empresário e como gestor, tem a ver com modelos e negócio, com produtos, com clientes, feiras, promoção, publicidade, patentes, invenções... Talvez preferisse aumentar a semana de trabalho, em vez de reduzir a TSU. Para mim, faria muito mais sentido.

A Lonza, uma empresa suiça cinco vezes maior que a Hovione, aumentou a semana de trabalho. E isto foi só a administração dizer a uma sexta-feira que a partir de segunda iriam aumentar a semana de trabalho. Todos concordaram.

Em Portugal, isso seria possível?

Não! Nós, por questões religiosas, não gostamos de trabalho. O trabalho foi o castigo por Adão e Eva terem cometido o pecado original. Hoje, o discurso extremou-se e o castigo tem que ser redimido com direitos e regalias sociais. Mas existe numa grande parte da nossa sociedade a ideia de que trabalhar, o menos possível! Safar-me ao trabalho, sempre que possa. O trabalho liberta-nos da pobreza!

Os salários em Portugal são justos?

Ganhamos pouco como povo. E temos que ganhar mais. Temos que abandonar o discurso de salários baixos, estamos todos fartos de salários baixos em Portugal. Mas temos que produzir mais.

Como se quebra essa mentalidade?

Mudando o discurso dos empresários e dizendo que a forma e o raciocínio dos sindicatos é totalmente anacrónica. Temos que valorizar o trabalho, não o ócio.

É um crítico do empresário português e dos sindicatos?

A sociedade tem que desafiar o empresário português. Os políticos têm que exigir mais ao empresário português. Portanto, a crítica é tanto ao empresário como à sociedade.

O que falha nesse relacionamento?

O empresário está extraordinariamente ligado ao lucro. E o lucro, em Portugal, é muito mal visto. Para mim, o lucro é a medida da saúde do negócio.

E porque é que o lucro é mal visto?

Portugal convive mal com questões de riqueza. Quando as nossas publicações falam sobre as pessoas mais ricas do país é para mostrar que os índices de desigualdade são cada vez maiores. O que é verdade, e é um problema que temos que atacar. Mas não é pelos ricos serem mais ricos, é por os pobres não enriquecerem.

Como é que isso se faz?

Temos uma economia baseada sobre o conhecimento. Pertencemos a um país moderno e sofisticado. Portugal é um país da linha da frente. É! Não somos um país do terceiro mundo.

Com que base faz essa afirmação?

Se olharmos para os rankings mundiais, estamos no fim do primeiro terço, mas estamos no primeiro terço.

Os rankings reflectem a realidade?

Para Sócrates os rankings eram importantes. Ele estudava a forma de fazer Portugal subir nos rankings e fê-lo de uma forma muitíssimo inteligente.

Isso significa que estamos lá não por mérito, não pela qualidade, mas sim pela inteligência no método...

Não. Sócrates acreditava nas avaliações. E fez aquilo que qualquer pessoa inteligente faria... Estudou o sistema da pontuação para saber como fazer subir Portugal. Não vejo nenhum mal nisso.

Dizia que é pelo conhecimento que uma sociedade enriquece...

Isso. E nós temos torpedeado o ensino em Portugal nos últimos 20 anos. O nosso sistema de ensino, ensino público, é o meio mais importante para enriquecer o país. E nós temos dito ao povo e aos seus filhos: não se preocupem com os exames, nós passamos por si. O resultado está à vista.

Portugal subiu no ranking da educação...

Temos um país mais ignorante do que há 20 ou 30 anos e o potencial de enriquecimento foi enfraquecido. Eu vejo isto: há 20 anos eu recrutava uma secretária com o 12.º ano, neste momento tenho que a recrutar com uma licenciatura, porque quem me aparece com o 12.º ano, infelizmente, já não está ao nível das necessidades. E isto acontece com várias pessoas que conheço.

Tem seis filhos, com idades entre os 11 e os 26 anos. Isso permite-lhe comparar o ensino português com o estrangeiro. Que comparação faz?

É desfavorável para o ensino português, que privilegia não o raciocínio, mas a resposta correcta. Não há raciocínio livre, não há desenvolvimento de raciocínio. Os exames portugueses de 12.º ano são uma dezena de perguntas, em que cada uma vale "x" pontos. O exame de Baccalauréat francês é uma pergunta, à escolha de três, com quatro horas para responder. E isso é muito mais desafiante para o aluno e para o professor, que vai ter de dar uma nota a um trabalho de seis páginas em que avalia o estudante não pela correcção da resposta, mas pela originalidade, pela capacidade de raciocínio, pela cultura geral, pela capacidade de citar autores...

Com o ensino superior é diferente?

Todos os meus filhos foram e irão para a Universidade portuguesa. O ensino superior português é de elevadíssima qualidade. As nossas escolas de engenharia são das melhores do mundo. O Instituto Superior Técnico é uma das melhores escolas de engenharia do mundo. E eu sei, porque temos na Hovione engenheiros vindos das melhores escolas do mundo.

Ainda sobre os sindicatos, o que é que podiam fazer que não fazem?

Conheço um grande sindicalista português que em privado tem uma conversa e com o microfone à frente faz um discurso bem diferente. Em privado, a conversa dele é quase igual à minha.

O que é que falha?

O que falha é que o sindicalista tem centenas de milhar de filiados que estão à espera de um determinado discurso, politicamente correcto, para que a massa associativa o siga.

É um problema de ego...

É um problema de expectativas políticas. Estamos completamente encurralados pelo paradigma do 25 de Abril de 1974, que determina a nossa forma de falar, de ser entrevistado, de fazer declarações públicas. Quantas vezes tenho falado com políticos e com líderes que em privado afirmam uma coisa e em público outra. Acho isso extraordinário.

O que pensa das empresas que têm domicílio fiscal fora de Portugal?

As empresas podem estabelecer as suas sedes onde lhes for mais proveitoso. Empresas como a Sonae, por exemplo, empregam dezenas de milhar de pessoas em Portugal, não na Holanda. A quantidade de impostos que são pagos ao erário público português graças ao trabalho dessas empresas é gigantesca. Aliás, a única coisa que resta aos estados para concorrer entre eles são as condições fiscais.

É a favor da harmonização fiscal?

Nunca vai haver uma harmonização fiscal porque os países precisam dessa liberdade para concorrer entre si. A Alemanha tentou que a Irlanda aumentasse o seu IRC de 12,5% para um valor muito mais elevado e não conseguiu.

As empresas europeias e americanas são penalizadas por países asiáticos?

Concorremos globalmente e alguns concorrentes não jogam pelas mesmas regras, facilitam, cortam na qualidade, e acabam por ter uma vantagem competitiva sobre nós. É o que chamamos a vantagem competitiva do incumprimento.

Qual deve ser o papel do Estado na economia?

Acredito em muito menos Estado e muito mais forte. Para termos um Estado melhor temos que começar por ter tribunais muitíssimo melhores. Fico admirado pela forma excelente como Portugal funciona na ausência completa de eficácia jurídica.

Como vê o futuro de Portugal?

Tal como se faz nas empresas, que têm uma missão, uma visão, valores, planos operacionais, plano estratégico, o governo tem que ter um plano. E não vejo problema absolutamente nenhum em que o rumo para Portugal saia do Parlamento, do conjunto dos grandes partidos. Tem é que ser consensual. E tem que ser para os próximos 25 anos. A Hovione quer ser a maior empresa do seu sector em 2028. E todas as pessoas que trabalham na empresa o sabem.

Falta visão?

Nos últimos dois anos a navegação foi à vista. E a vista era de uma semana. E temos que trabalhar em equipa. O que eu vejo em Portugal é uma discussão contínua do óbvio. Tudo se discute, não há cultura de consenso, não há cultura de concordância. Temporariamente, episodicamente, temos concordância, como acontece com o memorando de 78 páginas que nos dá um programa de governo imposto por fora.

Somos bem-mandados?

É uma questão de cultura, mas que se pode mudar. A posição do líder é absolutamente determinante para existir o tal alinhamento.

O facto de ser um país pequeno traz a Portugal uma maior dependência...

(Cortando a palavra) Que ideia, não somos nada um país pequenino. Mais pequenos que nós são a Bélgica, a Suíça, a Áustria, a Holanda, o Luxemburgo...

O que têm esses países que nos falta?

Confiança! Temos que acreditar em nós próprios. E temos razões para isso, temos futuro.

Qual é, para si, o grande perigo da sociedade actual?

A sociedade ocidental actual está em decadência. Vai continuar a ser um símbolo cultural, para o oriente, mas o poder económico e militar vai passar para a China. Eu vejo isso com enorme naturalidade, porque não podemos fazer absolutamente nada para contrariar esse movimento. É o resultado da nossa história e tem que ser acompanhado de forma pacífica.

E a Europa?

Sou pessimista em relação à Europa. O que podemos mudar na Europa tem essencialmente a ver com valores. Somos um continente cada vez mais fracturado em termos filosóficos e as posições extremam-se. A China é um país totalmente alinhado. Achei imensa graça quando, a seguir aos motins de Londres, as autoridades chinesas questionaram o governo britânico sobre a sua capacidade de garantir a segurança nos Jogos Olímpicos de 2012... Um comentário divertidíssimo, justamente porque a China foi criticada na preparação dos Jogos Olímpicos em Pequim devido à poluição e à segurança. Ri bem quem ri por último.

Voltando a Portugal... Mário Soares dizia há dias que reconhecia o capitalismo como o único sistema económico viável...

A grande fraqueza do capitalismo é que não se preocupa com questões sociais. Mas aí está. Acreditamos que temos que promover a igualdade ao mesmo tempo que temos um sistema económico que promove a desigualdade. E isto é fonte contínua de tensão. É isto que provoca os motins em Londres. Uma parte da população que não tem nada a não ser problemas e só tem um direito, o poder de fazer a revolução. E, periodicamente, fá-la.

A Hovione também tem vindo a fazer a sua revolução, com novos inventos. Porque é que há tão poucas patentes registadas em Portugal?

António Campinos, que foi presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) até revolucionou a instituição e ainda fez alguns inimigos na indústria. Preocupou-se com o aumentou dos pedidos de patente em Portugal. E em termos percentuais subiu imenso: triplicou ou quadruplicou. Mas subiu de pouquíssimo para pouco.


Muitas patentes estão em nome individual. Como o registo é relativamente barato, e basta pagar uma anuidade, no caso de a patente se tornar valiosa é fácil vendê-la a uma empresa e realizar uma mais-valia pessoal.

Por outro lado, a nossa economia avançada continua muito focada nos serviços e tudo quanto é tecnologia de informação não tem poderes. Uma patente é um documento que demora um a dois meses a escrever e a preparar, tem de ser afinada, é feito um depósito, depois as autoridades têm 18 meses para fazer uma avaliação. Ora, na área das Tecnologias de Informação, em dois meses mais 18 meses já o produto está inventado, industrializado, comercializado e morto. Ou seja, patente, tecnologia de informação, não interessa.

O empresário português preocupa-se com o desenvolvimento?

O empresário português é um privilegiado, porque a sociedade exige-lhe muito pouco. Exige-lhe só, e cada vez mais, que pague os seus impostos, mas não lhe exige que gere riqueza. Portanto, está sobretudo preocupado com um retorno muito rápido do seu capital.

Quanto gasta a Hovione em investigação e desenvolvimento?

Gasta seis milhões de euros. Isto coloca-nos na 30.ª posição no ranking.

Faz-se boa investigação em Portugal?

Como lhe disse, José Sócrates tinha uma enorme ambição e a sua forma de governar era fazer com que Portugal subisse nos rankings. Um ranking particularmente fácil de subir, porque é estabelecido exclusivamente pela despesa financeira, pelo investimento, era o de I&D. Para subir no ranking de I&D, Mariano Gago pediu e obteve 500 milhões de euros para a Fundação para a Ciência e Tecnologia e o apoio do SIFIDE, um sistema de crédito fiscal que já vinha do tempo de António Guterres, ao abrigo do qual 30% dos gastos em investigação e desenvolvimento são dedutíveis na matéria colectável.

Com que resultados?

Esse é o grande problema, isto não garante resultados.

É possível continuar assim?

Se estamos a gastar tanto dinheiro público, então o contribuinte tem que se sentir beneficiado pelos resultados dessa ciência. Neste momento há uma enorme relutância em abandonar o actual modelo de financiamento.

Qual é a alternativa ao modelo actual?

Não basta apenas, como até aqui, provar que se gastou o dinheiro. Tem que haver uma componente de avaliação sobre os resultados produzidos. As avaliações, que até agora são extremamente quantitativas, têm que ser qualitativas. Temos avaliar o resultado e não apenas o esforço.

Como é que isso pode ser feito?

Temos que pôr as universidades e empresas a colaborar muitíssimo mais. A ciência pública vai ter que servir o cidadão. Se ele paga, a ciência tem que ser em seu benefício. E quando eu digo cidadão português, digo o cidadão do mundo. Portugal tem uma tradição em medicina tropical de longas décadas, devido às nossas colónias. Em vez de ter a sua investigação pulverizada, que é uma coisa que acontece em todos os institutos públicos, cá ninguém sabe o que o outro está a fazer. Deviam existir desígnios nacionais.

Quais seriam, pode dar exemplos?

Teriam que ir ao encontro dos problemas de Portugal. Escassez de meios energéticos, por exemplo. Nós não temos energia. Então, vamos dirigir parte da questão para aumentar a eficiência dos sistemas, aumentar a rentabilidade da energia eólica. O envelhecimento da população. O que a afecta são doenças neuro-degenerativas características de idades avançadas: Parkinson e Alzheimer. Vamos concentrar-nos nas curas. Portugal tem uma grande relação com África. Os problemas da África são a Malária, a subnutrição... Então, vamos ver o que é que a nossa investigação pode fazer para ajudar essas populações. E vamos transformar os nossos institutos virados para a resolução de problemas. Desaproveitar isto é blasfémia pura!

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Dicas sobre um tema muito popular hoje em dia!



Como vender a sua casa

Mónica Silvares e Alexandra Brito  
01/09/11 00:05
Pequenas remodelações, pedir um preço justo e saber negociar as ofertas são algumas sugestões.
Os momentos são difíceis. Não só os bancos apertaram muito os critérios para a concessão de crédito à habitação como a maior parte dos portugueses, perante as actuais e futuras medidas de austeridade, decidem adiar a compra de casa ou optam por arrendar. Com quase 400 mil casas para venda em Portugal, usando como indicador o portal, um dos maiores do país, a alienação de imóveis parece quase uma missão impossível. O Diário Económico reuniu, por isso, algumas dicas para o ajudar nessa tarefa.
1 - Escolher o preço certo
Antes de colocar um placard a dizer "vende-se" deve conhecer o mercado para saber qual o valor real do seu imóvel. Entre os factores que mais pesam na valorização de uma casa estão a localização, a tipologia, a exposição solar, o estado de conservação do imóvel e mais valias que o distinguem dos demais. Para ter uma referência pode sempre verificar os preços das casas na vizinhança ou procurar nos vários sites de imobiliárias imóveis semelhantes. Um dos principais erros é pedir um preço excessivamente elevado, isso fará com que o público-alvo dessa casa não a veja porque está fora das suas possibilidades.
2 - Delinear uma estratégia
Uma das primeiras decisões que deve tomar é se vai recorrer aos serviços de uma imobiliária. Esta opção poder-lhe-á retirar grande parte do incómodo inerente à venda da casa, mas poderá também ajudá-lo nas questões burocráticas e na adopção de uma estratégia mais adequada ao seu imóvel. Lembre-se, contudo, que as imobiliárias cobram uma comissão e algumas exigem exclusividade. E os especialistas recomendam que não coloque a casa em demasiadas imobiliárias.
Quando delinear a sua estratégia de venda deve previamente definir até quanto está disposto a baixar o preço. Se ao longo do processo de venda verificar que as ofertas que se lhe apresentam estão muito fora do seu objectivo, se calhar é preferível alugar a casa e esperar por um momento em que o mercado imobiliário esteja mais atractivo para a venda.
Caso decida vender a casa por si é fundamental colocar o imóvel num portal online. Cerca de 70% dos compradores começam a sua busca na net. Assim, é fundamental ter boas fotografias da casa e antes de as tirar, certifique-se que a casa está limpa e arrumada. Deve dar o máximo de informação possível, de forma concisa, não esquecendo os detalhes atractivos e, claro, o preço.
3 - Garantir a atractividade do imóvel
Olhe para a sua casa (interior e exterior) e pense como o comprador. Tudo o que pode desvalorizar a casa deve ser eliminado. Optar por fazer pequenas reparações pode ser a solução: resolver uma infiltração, pintar os tectos e as paredes (preferencialmente de cores claras para dar mais espaço e luminosidade à casa), remodelar a casa de banho ou a cozinha, arranjar janelas que não funcionam. Pode até redecorar a casa para a tornar mais atractiva ao maior número de compradores. Há mesmo empresas de ‘home staging' que se especializaram neste capítulo. Mas atenção, antes de avançar faça um orçamento para garantir que o dinheiro que vai gastar nas obras compensa. Para as visitas ao imóvel deve ter sempre o cuidado de criar um bom ambiente: cortinas e estores abertos, aquecimento ligado no Inverno ou janelas abertas no Verão, retirar o excesso de mobílias para dar maior amplitude aos espaços e há quem leve ao extremo de fazer café e pôr um bolo no forno para criar a sensação máxima de conforto.
4 - Prepare os documentos e salde as dívidas
Antes de iniciar o processo de venda deve reunir toda a documentação necessária para evitar demoras futuras no processo que possam levar à desistência do comprador. É importante recordar que, desde Janeiro de 2009, todas as casas, novas ou usadas, para venda ou arrendamento necessitam de um certificado de eficiência energética. Esta certificação é obtida junto da Agência para a Energia (ADENE) que atribui uma classificação de A+ (maior eficiência) a G (menor eficiência). Algumas imobiliárias oferecem este serviço gratuitamente. Outra dica é pôr em dia todas as dívidas relativas ao imóvel: condomínio, prestações e até mesmo contas de electricidade e gás.
5 - Analise os potenciais compradores
Faça uma pré-selecção dos candidatos a visitar o imóvel. Verifique se estão realmente interessados e se têm capacidade monetária para comprar ou negociar a casa. Só fale com o cliente sobre a documentação do imóvel caso este mostre interesse pela casa.
6 - Cuidado com a segurança
A venda de uma casa pode criar situações perigosas, por isso, deve tomar precauções. Não deixe que os seus filhos abram a porta a estranhos; peça sempre a identificação; peça para ver os documentos comprovativos da pré-aprovação do crédito à habitação; feche à chave os objectos de valor e de colecção e coloque-os em lugar seguro; remova todas as fotografias pessoais e todos os objectos perigosos.
7 - Como negociar uma oferta
Se colocou uma casa à venda por 100 mil euros mas recebeu uma oferta inferior, no valor de 95 mil euros deve aceitar? Este é um dos dilemas com que muitos proprietários se deparam. A resposta não é conclusiva. Se colocou a casa à venda há uma semana e recebeu essa proposta, o melhor será recusar e esperar um pouco mais. No entanto, se o imóvel já foi colocada no mercado há cinco meses e esta é a primeira oferta que aparece, talvez deva equacionar o valor oferecido, já que significa que não é fácil encontrar pessoas interessadas na casa.
Ainda assim, sempre que recebe uma oferta inferior ao que pede - algo muito frequente tendo em conta os compradores tentam sempre obter o preço mais baixo possível - tenha o cuidado de sublinhar os aspectos que valorizam a casa e as razões que podem convencer o comprador a optar pelo seu imóvel: o jardim, os acessos, a arrecadação, a garagem, o ar condicionado, os serviços à volta, a vista, a localização, os móveis ou electrodomésticos que deixa